Mídia corporativa e Instituto Millenium

Lendo alguns artigos na internet, trombei neste aqui. Simplesmente sensacional o trabalho feito pelo Antônio Mello no Blog do Mello, e pelo Zuca, no Derrocada

O artigo do Antônio Mello, pode ser lido aqui neste link.

Já o artigo do Zuca, pode ser lido neste link.

Mas quem está querendo transformar o Brasil numa Venezuela (não no que o chavismo e a revolução bolivariana trouxeram de positivo para aquele país – fim do analfabetismo, assistência médica, participação popular no governo, fim da subserviência aos EUA ), quem está querendo fazer a venezuelização do Brasil é a mídia corporativa, que estimula diariamente o preconceito – evidenciado na reação dos médicos brasileiros à importação de estrangeiros pelo programa Mais Médicos -, a ocupação dos antigos espaços nobres pelos emergentes, essa “gente diferenciada” que tomou de vez aeroportos, shoppings, restaurantes, antes frequentados apenas pelos que em geral têm como medida de suas vidas os EUA, e que hoje se ressentem da dificuldade de encontrar mão de obra barata, ou até em condições análogas à de escravidão…

Quando se fala em Lei de Meios; quando se faz o programa Mais Médicos trazendo médicos do exterior, em sua grande maioria de Cuba, para realizar trabalhos em áreas em que nossos médicos brasileiros se recusam a trabalhar; quando se participa ativamente do Mercosul e se toma atitudes independentes dos EUA, como a crítica severa – o verdadeiro pito – que a presidenta Dilma passou no presidente Obama, a respeito da espionagem estadunidense; quando o governo age desse modo, a mídia corporativa o acusa de estar “Venezuelando” o Brasil.

A partir do Instituto Millenium, eles estão montando seus exércitos com pistoleiros, antigos e recém recrutados (não vou citar nomes, pois todos sabem quem são eles) para diariamente disparar contra o governo.

Basta visitar a página de comentários de qualquer um desses recrutas, soldados ou oficiais do porcalismo (palavra divulgada por este blog – sorry, o diabo é sábio não porque é diabo, mas porque é velho…) vendidos para ver o efeito devastador que causam na cabeça daqueles que chamo, desde 2005, de “indignados úteis” (leia abaixo postagem de 2006 sobre eles), zumbis ressentidos, que se alimentam de ódio e recalque diante do empoderamento de milhões de brasileiros.

Abro parêntese: Também sobre esse tema dos indignados, leia esta postagem  de 2008 “Nem Civita lê a Veja” em que o editor da revista e presidente do Grupo Abril, Roberto Civita, defende o  governo Lula e define assim os leitores de Veja:

Roberto Civita: “… Os leitores clamam, (…), querem que a sua revista se indigne. Eles querem. Os brasileiros, hoje, não posso falar de outras partes do planeta, mas os leitores de Veja querem a indignação de Veja. Eles ficam irritados conosco quando não nos indignamos. Estou tentando explicar, não justificar. Acho que Veja se encontra toda semana na difícil posição, de um lado, de saber que reportagem é reportagem e opinião é opinião, sendo que não tem editoriais além daquele da frente; e, de outro, sabendo que os leitores…”

Fecho parêntese.

Leia agora a postagem sobre os indignados úteis, de 2006:

O país dos ‘indignados úteis’

“Lula e o mensalão, os males do Brasil são”
– Mantra dos Indignados úteis

Quando criei a expressão nunca imaginei que pessoas tão inteligentes, espertas, cultas e interessantes um dia parariam aqui neste blog. Mas, foi só eu fazer a postagem aqui abaixo sobre o divertido blog do Reinaldo Azevedo, para elas aparecerem. Como borboletas monarcas, chegaram aqui em panapaná. Sem cerimônia invadiram a área de comentários, mas, especialmente, entupiram minha modesta caixa postal com suas mensagens raivosas.

Muitos indignados por serem chamados de “indignados úteis” – embora a designação não atinja a todos. O “indignado útil” não é um indignado qualquer. Nem é – como eles parecem crer – todo aquele que critica o presidente e quer vê-lo longe do Palácio do Planalto, porque acha que Alckmin (ou outro candidato qualquer) será melhor para o país.

O “indignado útil” é uma categoria especial dentro da classe dos indignados. Guarda parentesco com o “inocente útil”, usado como massa de manobra. Dois aspectos os diferenciam: primeiro, o “indignado útil” não tem nada de inocente; segundo, o “inocente útil” achava que agia para o bem do Brasil, já o “indignado útil” quer que o Brasil se dane, o que ele deseja é ferrar Lula e o PT – ou, no dizer honesto de seu porta-voz, “ver-se livre dessa raça pelos próximos 30 anos”.

Se ainda não está claro, dou um exemplo de “indignado útil”: Diogo Mainardi. Basta ler sua última coluna, onde ele declara que vai tapar o nariz e votar em Alckmin, mesmo achando que “Geraldo Alckmin é um mau candidato, tem um mau partido e, se eleito, será um mau presidente”. O país que se dane, desde que Lula e o PT saiam do poder. Eis o “indignado útil”.